Série Ruptura e o Amor Próprio



Toda a lei se resume num só mandamento: "Ame o seu próximo como a si mesmo".

Gálatas 5:14

A série Ruptura gira em torno dos funcionários de uma empresa bizarra que usa uma tecnologia mais bizarra ainda, fazendo seus funcionários esquecerem todo o trabalho feito lá, assim que acaba o expediente... Eles saem do prédio e... catapimbas! Esquecem tudo, tudo mesmo, até, por exemplo, se tiver uma Amber Heard¹ no seu turno e cortar o seu dedo fora. Você nem vai saber como aconteceu, quando, o motivo... Pra piorar a empresa mascara tudo! Mentem dizendo que foi a própria pessoa que cortou com um grampeador mutante, ou algo assim... Tudo para você continuar trabalhando lá igual um condenado.

Eles fazem esse “esquecimento” por meio da tecnologia bizarra que eu mencionei anteriormente, um chip implantado no cérebro. Ele cria uma versão sua sem as memórias da sua vida fora da empresa, enquanto trabalha você nem sequer sabe o nome da sua mãe, se você tem uma capivara de estimação, esse tipo de coisa... Enfim, nada! Uma coisa muito triste para se fazer com alguém, ainda mais se esse alguém for você mesmo! Eu não ia conseguir dormir a noite sabendo que eu estou obrigando uma pessoa a viver a vida inteira no trabalho.

Na série os funcionários têm vários motivos para serem sadomasoquistas. Tem um que perdeu a esposa e pra encurtar o dia de luto eterno trabalha lá, um outro personagem (que eu não vou falar qual é) é filho(a) do dono da empresa e tá lá só para comprovar pro mundo que o sistema é maravilhoso... por aí vai...

Os personagens em si demonstram uma falta gigantesca de amor-próprio, ao não estarem nem aí para os “eus” deles que estão trabalhando eternamente, mesmo que não vivam essa “vida”, só querem saciar seus desejos. Acredito que nenhum deles tomaria a decisão de fazer isso com outra pessoa, mas como o negócio é com eles mesmos, não veem problema. É o mesmo pensamento que pessoas com comportamentos destrutivos (tanto espiritualmente quanto fisicamente) tem: “não estou fazendo mal a ninguém mesmo, o que isso tem demais?”; esquecendo-se que nesse “ninguém” não está incluída a pessoa mais importante: ela mesma. O mandamento de Jesus é claro enquanto a isso: você deve amar o próximo como a si mesmo; se você não se ama como vai amar o próximo?


Tati de Mira


¹ A Atriz decepou uma parte do dedo de seu ex-companheiro, o pobre Johnny Depp em um de seus ataques de pelanca.


11 visualizações0 comentário